Santuário Nossa Senhora da Agonia
  •  Av. N. Sra. da Agonia, s/n – Bairro N. Senhora da Agonia - CEP 37500-970
  • Itajubá-MG - Tel: (35) 3623-2512 – E-mail: pascom@nsagonia.com.br

Evangelho do dia – Mt 13,36-43

Publicado em 31 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

31/07/2018 – O campo é o mundo… (Mt 13,36-43)

Pela forma como o próprio Jesus “traduz” sua parábola do joio e do trigo, podemos considerá-la uma alegoria, já que seus vários componentes possuem simbolismos individuados. Temos um semeador, Jesus. Temos a boa semente, os filhos do Reino de Deus. Temos o joio, os que pertencem ao maligno. Teremos, no fim dos tempos, os segadores da colheita: os anjos de Deus.

Hoje, vamos centrar nossa reflexão no “campo” que recebe a dupla sementeira (bem e mal). Este campo é o mundo: um espaço-tempo onde decorre a história da humanidade. Ele nos é apresentado como terra a ser semeada até um desfecho, quando ocorrerá a separação entre joio e trigo.

Os apressados querem fazer JÁ essa separação, sem levar em conta que as duas plantas, quando pequenas, são praticamente idênticas, e inevitavelmente o trigo seria arrancado com o joio. Cuidado, pois, com a atitude impaciente que cobra de Deus uma intervenção imediata, não sabendo conviver – por enquanto – com o joio entre nós. E, claro, dentro de nós também…

Não forçamos a interpretação se dizemos que o Reino dos céus já tem seu germe no reino deste mundo. Tampouco se afirmamos que ele deve crescer, após ser semeado, no decorrer da história, até “amadurecer” o suficiente para a colheita final.

Nesta visão, o provisório (a Criação temporal) já traz em segredo, ocultamente, as sementes da eternidade. E este mesmo mistério inclui a possibilidade de o trigo se corromper em joio, bem como de o joio ser transfigurado em trigo. O santo e o pecador vivem um dinamismo que permite a degradação e a regeneração até o último instante da história. Basta lembrar que grandes santos foram grandes pecadores… e reconhecer que todos nós caminhamos sobre um fio de navalha, do qual certamente cairemos sem o sustento da graça divina.

Quando Jesus convocou seus discípulos, ele o fez com a intenção de que se tornassem, também eles, semeadores no campo do mundo. A missão pessoal do Salvador é estendida à Igreja, “uma humanidade de acréscimo” a Cristo.

Enquanto isso, os moralistas protestam contra a insuportável presença do joio. Os céticos afirmam que “tanto faz”. O evangelizador consagra sua vida a semear a boa semente. Em que time está você?

Orai sem cessar: “Quem semeia entre lagrimas colherá com alegria.” (Sl 126,5)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mt 13,31-35

Publicado em 30 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

30/07/2018 – Como um grão de mostarda… (Mt 13,31-35)

Duvido que, algum dia, Herodes tenha-se ocupado com um mísero grão de mostarda! Duvido que o governador Pôncio Pilatos tenha dedicado alguns minutos a contemplar os lírios do campo que se espalhavam pelo semiárido… Os poderosos deste mundo não perdem seu tempo com essas ninharias…

Mas o olhar de Jesus percebe o valor das coisas pequenas, ele pressente o seu mistério, lê seu sentido profundo. Mesmo que sejam pardais nos arvoredos, mulheres do povo amassando pão, pescadores lançando a tarrafa! É das coisas mais simples e triviais que o Mestre extrai o ensinamento de sua doutrina.

Foi assim com a aproximação que Jesus fez entre um grão de mostarda e o Reino dos céus. Eis o comentário de Lev Gillet:

“Nós atenuamos esta parábola, nós a enfraquecemos, nós a esvaziamos de seu ‘maximalismo’ quando pensamos no grão de mostarda simplesmente como uma pequena planta capaz de considerável crescimento. E a reduzimos a uma banalidade, uma platitude, se a mensagem que dela extraímos é alguma coisa como: ‘aquilo que é grande, primeiro foi pequeno’”.

- “Mestre – prossegue o comentarista -, tu não disseste que a mostarda é uma plantinha que se torna grande. Tu disseste que ela se torna maior que as hortaliças, que ela se torna uma árvore. ‘Uma árvore’, isto é, uma estrutura que, na concepção e na linguagem comuns (senão na estrita verdade botânica) é completamente diferente de uma planta. E não somente ‘uma árvore’, mas uma árvore tal, que ‘os pássaros do céu vêm habitar em seus ramos’ (Mt 13,32).”

“Tu empregaste um superlativo. E aí está, Senhor, a tua lógica, a lógica de teu Evangelho, a lógica dos contrastes e dos extremos. Tu não nos exortas apenas a nos tornar ‘pequenos’ para acabarmos ‘grandes’ diante de teu Pai. Tu nos exortas a acolher em nós a semente ‘mais pequenina’, a nos lançarmos em um abismo de humildade. E então o grão de mostarda pode tornar-se, em nós, ‘uma árvore’. Não é suficiente dizer que a pequenez é a condição da grandeza. É da extrema pequenez que sairá a extrema grandeza.”

“Esta parábola, Senhor, esclarece poderosamente o teu pensamento. Ele se move entre os extremos. Não se detém nas posições intermediárias. Em ti, não há meias-tintas. Existe um sim que é sim, um não que é não. Tu nos forças a optar entre a luz e as trevas. Tu nos provocas para aspirações e decisões que tendam a um máximo. O mais difícil, o mais alto, o melhor.”

Orai sem cessar: “O Senhor eleva os humildes…” (Sl 147,6)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Jo 6,1-15

Publicado em 29 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

29/07/2018 – Onde compraremos pão? (Jo 6,1-15)

Evidentemente, esta pergunta de Jesus ao apóstolo Filipe não passa de uma provocação. Pão no deserto? Pão para cinco mil homens famintos, sem recensear mulheres e crianças? Pão em uma Palestina onde não havia padarias, pois o pão era fabricado de modo caseiro, no pequeno forno familiar no fundo do quintal?

Mas a pergunta provocativa ajuda a lembrar outro deserto, outra multidão, outro líder seguido no êxodo do mesmo Israel. Ao deixar o Egito da escravidão e ver-se sem alimento no areal infértil (cf. Ex 16), o povo escolhido teve consciência de sua incapacidade para matar a própria fome. É quando o Senhor faz cair o maná, um provisório “pão do céu” que não resultava do suor humano, da terra trabalhada, mas era puro dom, pura graça.

Desde os primeiros tempos, os Padres da Igreja viram na multiplicação dos pães a sinalização da Eucaristia. Um “pão do céu” que seria o alimento e a fonte de energia para uma comunidade de discípulos a caminho da Terra Prometida.

Sim, o Senhor aceita trabalhar a partir de nosso próprio trabalho: os cinco pães de cevada (isto é, de baixa qualidade) que um garoto (um daqueles imprestáveis que a gente nem se preocupa em contar!) trazia na matula. E a partir dessa (miserável) contribuição, Deus entra em ação e faz maravilhas impensáveis.

Não podemos fazer vista grossa para a identidade de gestos e palavras que Jesus adota na multiplicação dos pães e na celebração da Última Ceia: tomar os pães… dar graças [no texto grego, eucharistésas]… distribuir aos convivas… Trata-se do mesmo ritual com que os evangelhos sinóticos introduzem a narrativa da consagração na Ceia e que, na época em que João escrevia seu Evangelho, teria sido adotado na liturgia primitiva.

Teriam percebido aqueles comensais o precioso sinal que Jesus lhes dava? Provavelmente, não. Nossa fome costuma limitar-se ao estômago, sem chegar ao fundo da alma. E se a multidão quer fazê-lo rei (cf. Jo 6,15), seguramente é para ter o pão de graça, ter um milagreiro à disposição, mas continuar a alimentar-se dos “alimentos terrestres” e, enfim, morrer como aqueles que comeram do maná…

Com que pão temos matado a nossa fome?

Orai sem cessar: “Saciarei de pão os seus pobres…” (Sl 132,15)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mt 13,24-30

Publicado em 28 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

28/07/2018 – Enquanto todos dormiam… (Mt 13,24-30)

Já refletimos juntos sobre esta mesma passagem: o trigo bom e o joio mau crescendo juntos até a colheita, convivendo lado a lado até o dia do Grande Juízo, a colheita da humanidade. E o mistério da paciência de Deus, que parece estender o nosso tempo de conversão…

Hoje, porém, vamos focalizar outro ângulo. Quando foi que o “inimigo” semeou a cizânia sobre a semente do trigo já semeada? Quando todos dormiam… Satisfeitos com o trabalho da semeadura, cheios de esperança de boa brotação, foram todos celebrar, dormindo o despreocupado sono dos justos.

Foi na calada da noite que o adversário se infiltrou. Não havia guardas nem sentinelas. Os cães não ladraram. Quando o dia raiou, o mal estava feito… Faz pensar em nossa sociedade? Faz pensar em nossas famílias? No mínimo, faz lembrar a advertência de Jesus? “Vigiai e orai, porque não sabeis o dia nem a hora!” (Mc 13,35.)

Quem viu a profunda mudança da sociedade brasileira na segunda metade do Séc. XX sabe que todos nós cochilamos. Diante do processo de industrialização, o êxodo rural, a chegada da TV, as mudanças do pós-Vaticano II, nós não fomos vigilantes como deveríamos ter sido. Distraídos, tivemos nossas raízes culturais abaladas, os laços familiares rompidos, nossa própria fé desfigurada.

Os pais rezavam o terço em família, os filhos deixaram de ir à missa, os netos se perguntam que diferença faz casar-se na Igreja ou simplesmente se “juntar”… Isto, em menos de 50 anos! Nós fomos envolvidos por outras vozes. Duvidamos dos valores que havíamos herdado de nossos maiores, pois pareciam meio “quadrados” diante do novo mundo que se avizinhava.

Hoje, sabemos que falhamos. Dormimos enquanto o inimigo semeava o joio. Eis a droga e a violência. A quebra da autoridade dos pais e professores. A invasão dos lares pela TV pornófona. A adoção de toda a libertinagem das novelas. E não é mais possível evitar as lágrimas diante de tanta destruição…

E agora, que fazer? Com certeza, voltar para a muralha e retomar a vigilância. “Vigiai, pois, em todo o tempo, e orai a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos estes males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do homem.” (Lc 21,36.)

Orai sem cessar: “Mais do que os vigias que aguardam a manhã,

Espere Israel pelo Senhor!” (Sl 130,7)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mt 13,18-23

Publicado em 27 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

27/07/2018 – Sufocam a Palavra… (Mt 13,18-23)

Neste Evangelho, temos algo especial: o próprio Jesus “interpreta” uma de suas parábolas, cujo sentido mostrava-se hermético a seus ouvintes. E fica bem claro que a “Palavra do Reino” sempre encontrará sérios obstáculos para ser acolhida e dar fruto: a oposição do maligno, nossas próprias futilidades, nossa inconstância, as preocupações mundanas…

Como observa H. Roux, quando recebemos a semente da Palavra, pode ser que nós não a compreendamos, ou a entendamos mal. “O Reino dos céus é proclamado no seio de um mundo hostil. Mas Jesus não nos quis dar uma lista exaustiva das diversas reações do mundo. Ele apenas atrai a atenção sobre o fato de que a Palavra, ao ser pronunciada, no mais das vezes o é com perda total.”

“Mas também ocorre – e isto é um milagre! – que a semente encontre um bom terreno, ao qual era destinada; acontece, mesmo neste mundo hostil, que a Palavra seja ouvida, compreendida, e dê frutos.” Contudo, o mais frequente é a sua rejeição. “Ela veio aos seus – dirá o apóstolo João – e os seus não a receberam”. (Jo 1,10)

“Quando Jesus aparece com a Palavra do Reino – prossegue Hébert Roux -, quando deste modo vem ao mundo o Reino contido em potencial nessa Palavra, oculto e secreto como a planta que existe na promessa desse grão, o julgamento e a graça de Deus se manifestam ao mesmo tempo: o Evangelho provoca a contradição em um mundo onde Satã reina sobre os corações e os espíritos, e é exposto à superficialidade dos entusiasmos fáceis; finalmente, é rejeitado por aqueles mesmos que, de início, pareciam querer tornar-se os seus campeões.”

A conclusão é que a acolhida da Palavra do Reino e a consequente frutificação em nós devem ser vistas como autêntico milagre da graça, mais do que sinal de heroísmo de nossa parte. Por qualquer pequeno motivo (ou pretexto), estamos prontos a sufocar a semente recebida. Envolvidos por um mundo pagão (hoje como antes!), podemos optar pelo dinheiro, pela amizade dos poderosos, pelos aplausos da maioria, pelo brilho do sucesso e tantas outras “preocupações” do mundo.

A palavra “preocupação” pode ser lida no sentido de algo que se antepõe (ver o prefixo “pré”) à Palavra do Reino. Algo que nos “ocupa antes” e, por isso, sufoca a Palavra. Sem abrir mão, sem abrir espaço, não vamos acolhê-la…

Orai sem cessar: “Senhor, conservo no coração tuas promessas!” (Sl 119,11)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mt 13,16-17

Publicado em 26 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

26/07/2018 – Felizes os vossos olhos! (Mt 13,16-17)

Nada pior que a ingratidão! O ditado popular condena o gesto do ingrato: “cuspiu no prato em que comeu”. Se fazemos vista grossa e ouvidos de mercador diante dos dons com que nos cumula o Senhor, cometemos esse pecado. Neste Evangelho, Jesus se emociona. Logo depois de interpretar para os discípulos a parábola do semeador, cujo sentido lhes permanecia obscuro, o Mestre se dá conta de que eles estão ouvindo e vendo aquilo que os justos da Primeira Aliança – patriarcas e profetas – teriam suspirado por ver e ouvir…

São privilegiados – como nós – estes seguidores do novo tempo inaugurado pela encarnação do Verbo de Deus, a nova e eterna Aliança com os homens. Por isso a dupla exclamação: Felizes! Bem-aventurados! E não sabemos se aqueles homens simples, um tanto rústicos, chegaram a perceber os privilégios e favores de que eram objeto…

Nós também somos privilegiados. Vivemos um tempo em que os dons do Espírito Santo são derramados de modo intensivo e extensivo, mais que em qualquer outra época da história. O mínimo que podemos fazer é dar graças a Deus, como em meu soneto “Ação de Graças”:

Senhor, em tudo vejo a tua Graça

Derramada sem conta e sem limite:

Nem esperas que eu erga o olhar e grite,

Pois logo o teu divino Amor me abraça!

 

Tua bondade sempre me ultrapassa,

Teus dons sempre superam meu palpite…

E mesmo que eu me furte, e o Amor evite,

A tua Luz me invade e me devassa!

 

Dou-te graças, meu Pai, e reconheço

Que todos estes dons eu não mereço

E hei de acabar a vida devedor…

 

Mas de tua Graça nunca fazes conta

Nem tua Mão meus débitos aponta,

Pois é cego às faturas teu Amor!

 

Sou grato a Deus pelos favores imerecidos que recebo de seu amor de Pai? Ou ainda estou incluído na lista dos queixosos, que se sentem mal servidos por um Deus indiferente?

Orai sem cessar: “Bendirei ao Senhor em todo o tempo!” (Sl 34,2)

Texto e poema de Antônio Carlos Santini, da Com. Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mt 20,20-28

Publicado em 25 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

25/07/2018 – E dar a sua vida… (Mt 20,20-28)

O amor é assim. Vive para morrer. Morre para que o outro viva. E acha o seu sentido profundo quando gasta a vida pelo bem do outro. Jesus assevera: “Ninguém tem maior amor do que quem dá a vida por seu amigo.” (Jo 15,13.) As hipóteses freudianas sobre o homem divergem: pregam a afirmação de si mesmo, a busca de realização pessoal, a recusa de toda ascese, o abandono às próprias inclinações e a repulsa por todo sacrifício. Claro: Freud e o Evangelho são antípodas… E desde que sua psicologia se vulgarizou, foi minguando nossa capacidade de doação, a disposição para o altruísmo, para uma vida centrada no outro. Sempre mais egoístas, roubamos do amor seu sopro de eternidade para viver com mesquinhez as realidades terrestres.

Na Encíclica “Deus é amor”, Bento XVI diz: “A verdadeira novidade do Novo Testamento não reside em novas ideias, mas na própria figura de Cristo, que dá carne e sangue aos conceitos – um incrível realismo. [...] Na sua morte de cruz, cumpre-se aquele virar-se de Deus contra si próprio, com o qual Ele se entrega para levantar o homem e salvá-lo – o amor na sua forma mais radical. O olhar fixo no lado transpassado de Cristo, de que fala João (cf. 19, 37), compreende o que serviu de ponto de partida a esta Carta Encíclica: “Deus é amor” (1Jo 4, 8). É lá que esta verdade pode ser contemplada. E começando de lá, pretende-se agora definir em que consiste o amor. A partir daquele olhar, o cristão encontra o caminho do seu viver e amar.” (DCE, 12.)

Jesus vive o que ensinou. Humilde, entrega-se à morte ignominiosa, entre dois malfeitores, remindo com seu sangue a humanidade decaída. João resume o sentido de sua entrega: “Tanto Deus amou o mundo, que lhe entregou seu Filho unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3,16.) Os mártires testemunham que esse amor é possível. Tendo provado o amor eterno – experiência totalizante que a tudo relativiza – entregam sua vida alegremente, entre hinos de louvor, pedindo a Deus clemência para os carrascos.

Há pequenos martírios em nossas vidas. A mãe sofre os incômodos da gravidez e as dores do parto para gerar vida nova. O pai tem as mãos calejadas para sustentar a família. O médico se expõe ao contágio para cuidar dos enfermos. A mestra se sacrifica pelos alunos, mesmo tendo um baixo salário. E tanta gente simples que valoriza amigos e vizinhos, e acolhe o migrante que passa… São todos eles um Evangelho vivo. Dão a vida e sabem servir…

Orai sem cessar: “Se morrermos com Cristo, com ele viveremos.” (2Tm 2,11)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mt 12,46-50

Publicado em 24 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

24/07/2018 – Esse é meu irmão… (Mt 12,46-50)

Como entender a reação de Jesus que, à primeira vista, parece evitar o contato direto com o grupo de familiares que o procura? O primeiro ponto que nós podemos considerar nos é dado pelo evangelista São Marcos: diante da atuação pública de Jesus, que atraía multidões, seus parentes duvidam de sua sanidade mental e pretendem leva-lo à força para casa. (Cf. Mc 3,21.)

Afinal, aos olhos de todos, Jesus era um simples carpinteiro de Nazaré que se comportava como um Rabi… A súbita mudança de rumo em sua vida podia, mesmo, assustar os mais próximos. E o bom senso nos leva a crer que Maria, sua mãe, acompanhava os parentes a contragosto.

À chegada dos familiares, Jesus aproveita para nos dar uma lição. A própria noção de “família” é alterada, quando aponta para a multidão sedenta de sua Palavra e diz: “Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão e minha irmã e minha mãe”.

Não há nada aqui que nos deva causar espanto. De fato, quem obedece ao Pai do céu, quem ouve sua Palavra, age na prática como filho. Irmana-se, pois, com Jesus, o Filho obediente, que jamais foi capaz de pôr seus próprios interesses e vontades acima da vontade do Pai.

Se alguém tenta valer-se desta passagem para desmerecer a figura da Mãe de Deus, lembre que Maria é o modelo de quem ouve e acolhe a Palavra em seu íntimo, a ponto de gerar o Verbo na própria carne. Assim sendo, ela se encaixa perfeitamente na nova definição de família que Jesus acaba de divulgar.

No contraste entre os laços de sangue e os laços de espírito, estes ficam com a primazia. Realidade experimentada por tantas pessoas, que acabaram por estabelecer relações de maior intimidade, mais confiança e calor humano entre companheiros de caminhada na fé do que entre os próprios membros da família carnal. Tanto que os monges chamavam seu superior de Pai (Abba, Pater), e as monjas viam na superiora a sua Mãe (Madre). O membro da mesma comunidade era irmão (frater) ou irmã (sóror).

Se, por um lado, o cristianismo veio valorizar a família, reconhecendo nela algo sagrado e querido por Deus, por outro lado acenou também com a necessidade de rupturas e desapego familiar quando se trata de seguir os chamados do Senhor. E o exemplo maior nos vem de Jesus, que precisou deixar sua mãe, já viúva, para seguir a exigente missão que o Pai celeste lhe confiara.

Orai sem cessar: “O Senhor faz as famílias numerosas como rebanhos.” (Sl 107,41)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mt 12,38-42

Publicado em 23 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

23/07/2018 – O sinal de Jonas… (Mt 12,38-42)

Lembra-se de Jonas, o profeta teimoso que tentou fugir de sua missão e acabou na barriga de um grande peixe do mar? Após três dias e três noites nas entranhas do Xeol e no coração do mar (cf. Jn 2,3-4), com um colar de algas marinhas enlaçando-lhe o pescoço, Jonas clamou por Deus e foi prontamente devolvido à superfície das águas, são e salvo. É belíssimo o salmo que ele reza naquela passagem do Antigo Testamento!

Jesus Cristo recorre à experiência de Jonas – do conhecimento de todos os seus ouvintes – para fazer alusão à sua própria ressurreição “ao terceiro dia”. Este seria o único “sinal” dado aos que duvidavam de sua missão messiânica. Na falta da fé, clamavam por demonstrações de poder…

Bem, nós corremos o mesmo risco… Podemos avaliar que nossa vida espiritual anda meio rotineira, que não basta cumprir os mandamentos, amar o próximo, viver uma vida sacramental. Aí, nasce em nossas circunvoluções cerebrais a ânsia por algum milagre, algum prodígio, algumas aparições, enfim, algo fora do comum.

E lá vamos nós em peregrinações a locais de supostos fenômenos místicos, ou a grupos onde se manifestam os dons mais extravagantes. No fundo, sintomas de inquietação interior, de gula espiritual, de falta de abandono infantil nas mãos do Pai que nos ama…

Os autores espirituais já nos ensinaram a buscar pelo Deus dos sinais, e não pelos sinais de Deus. O próprio Jesus fez uma advertência a Tomé, que afirmava crer somente sob a condição de ver: “Felizes os que, sem terem visto, acreditam!” (Jo 20,29.)

De fato, se dependêssemos de uma enxurrada de sinais para crer em Deus, para atender ao chamado, para assumir a missão, ficaríamos para sempre sentados no meio-fio, esperando a banda passar. A vida dos santos revela que eles passaram longos anos sem nenhum “sinal de vida” da parte do Senhor que os atraíra, seduzira e, a seguir, escondeu-se na nuvem.

Como Madre Teresa de Calcutá – só o soubemos depois de sua beatificação! -, que passou mais de quatro décadas no mais absoluto deserto interior. E essa aridez não impediu que se dedicasse de alma e coração à missão de amar os abandonados.
Orai sem cessar: “Cumprirei os meus votos para com o Senhor!” (Sl 116,5)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Evangelho do dia – Mc 6,30-34

Publicado em 22 de julho de 2018 \\ Evangelho do dia

22/07/2018 – Ovelhas sem pastor… (Mc 6,30-34)

Este Evangelho realça mais uma vez o sentimento de Jesus diante das multidões que acorriam à sua procura, o mesmo sentimento ainda mais destacado no Evangelho de São Lucas: a compaixão. Um movimento da alma geralmente designado pelo verbo grego [splagchnizomai] que conota uma reação visceral, hoje diríamos “psicossomática”.

O Antigo Testamento já fazia referência ao abandono do povo por seus dirigentes, tanto políticos quanto espirituais, como na passagem de Jeremias 10,21, que denuncia “pastores que deixaram de procurar o Senhor e por isso são incapazes de governar”, com a consequente dispersão do rebanho.

O profeta Isaías 40,11 traz a promessa do Messias que vem “qual pastor que cuida com carinho do rebanho, nos braços apanha os cordeirinhos, para levá-los ao colo”.

É exatamente assim que a Jesus aparece, no Evangelho – diz Hans Urs von Balthasar – a multidão que se reúne à sua volta. “Nele, as pessoas sentem instintivamente o bom pastor enviado por Deus, que não quer exercer seu poder sobre elas, mas as reúne e cuida delas por si mesmas. Os poderosos já as dominaram o suficiente, assírios, babilônios, persas, gregos, romanos, para os quais o povo era somente certa massa ignorante “nascida inteiramente no pecado” (cf. Jo 9,34).”

Este Evangelho mostra-nos Jesus dividido entre a necessidade de repouso e as exigências da multidão, que não lhe permite sequer o tempo para as refeições (cf. Mc 6,31b). “Ele acabará por oferecer a si mesmo em alimento para esses famintos. Ele não está ali para descansar, mas para deixar-se usar até o fim. ‘Eu dou a minha vida pelas minhas ovelhas’. (Jo 10,15)”

É assim que Jesus deixa de lado o descanso e a alimentação para concentrar-se no ensinamento da multidão. Fazem-lhe companhia os discípulos, sem que se registre a reação deles e suas disposições íntimas. Afinal, o Mestre é também o modelo de vida do discípulo, um modelo a ser imitado sem reservas pessoais.

Como o próprio Jesus iria ensinar, basta ao discípulo ser como o Mestre. Por isso mesmo, em sua atuação pastoral e no anúncio do Evangelho – como se lê nos Atos dos Apóstolos – esperam por eles os mesmos cansaços e a mesmo destino de seu Mestre (cf. Mt 10,25).

Orai sem cessar: “O Senhor é meu pastor, nada me falta!” (Sl 23,1)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Página 1 de 11012345...102030...Última »